A função da legitimação na governança transnacional

Publikation: Bidrag til tidsskriftTidsskriftartikelForskningpeer review

Resumé

Ao desenvolver uma teoria social, por meio de um enfoque sociológico, este artigo questiona o porquê de a prática social da legitimação ter assumido o papel central no debate sobre ordenamento transnacional. Ao contrário de perspectivas que enxergam o relacionamento entre as formas nacional e transnacional de ordenamento jurídico como um relacionamento sem qualquer soma, a relação coevolucionária e mutuamente encorajadora entre as citadas formas de ordenamento jurídico é aqui defendida e enfatizada. Sustenta-se, ainda, que essa complementaridade pode ser rastreada desde a mais fundamental e diferente função e posição das formas nacionais e transnacionais de ordenamento jurídico na sociedade mundial. A tentativa generalizada de analisar desenvolvimentos transnacionais com base em conceitos de lei e de política derivados de contextos de ordenamentos nacionais é, portanto, problemática. Assim, justamente no sentido oposto, esse artigo defende que conceitos contextualizados de lei e política transnacionais são necessários. Ediante dessa necessidade é que o discurso sobre legitimação emergiu no âmbito da governança transnacional. As práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional podem ser entendidas como equivalentes funcionais da democracia, na medida em que ambas podem ser compreendidas como instrumentos de crescente reflexividade. A diferença central, entretanto, é que contextos legitimados pela democracia implicam uma forma ex ante do político em contraste com a ênfase expost das práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional. Além disso, a lei assume umpapel instrumental central, pois é por meio dela que as práticas de legitimação são estruturadas emambiente transnacional.
Ao desenvolver uma teoria social, por meio de um enfoque sociológico, este artigo questiona o porquê de a prática social da legitimação ter assumido o papel central no debate sobre ordenamento transnacional. Ao contrário de perspectivas que enxergam o relacionamento entre as formas nacional e transnacional de ordenamento jurídico como um relacionamento sem qualquer soma, a relação coevolucionária e mutuamente encorajadora entre as citadas formas de ordenamento jurídico é aqui defendida e enfatizada. Sustenta-se, ainda, que essa complementaridade pode ser rastreada desde a mais fundamental e diferente função e posição das formas nacionais e transnacionais de ordenamento jurídico na sociedade mundial. A tentativa generalizada de analisar desenvolvimentos transnacionais com base em conceitos de lei e de política derivados de contextos de ordenamentos nacionais é, portanto, problemática. Assim, justamente no sentido oposto, esse artigo defende que conceitos contextualizados de lei e política transnacionais são necessários. Ediante dessa necessidade é que o discurso sobre legitimação emergiu no âmbito da governança transnacional. As práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional podem ser entendidas como equivalentes funcionais da democracia, na medida em que ambas podem ser compreendidas como instrumentos de crescente reflexividade. A diferença central, entretanto, é que contextos legitimados pela democracia implicam uma forma ex ante do político em contraste com a ênfase expost das práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional. Além disso, a lei assume umpapel instrumental central, pois é por meio dela que as práticas de legitimação são estruturadas emambiente transnacional.
SprogPortugisisk
TidsskriftDireito Público
Vol/bind14
Udgave nummer78
Sider177-196
Antal sider20
ISSN2236-1766
StatusUdgivet - 2017

Bibliografisk note

CBS Bibliotek har ikke adgang til materialet

Citer dette

@article{800579db3a7f433a91d1e96bd2da2681,
title = "A fun{\cc}{\~a}o da legitima{\cc}{\~a}o na governan{\cc}a transnacional",
abstract = "Ao desenvolver uma teoria social, por meio de um enfoque sociol{\'o}gico, este artigo questiona o porqu{\^e} de a pr{\'a}tica social da legitima{\cc}{\~a}o ter assumido o papel central no debate sobre ordenamento transnacional. Ao contr{\'a}rio de perspectivas que enxergam o relacionamento entre as formas nacional e transnacional de ordenamento jur{\'i}dico como um relacionamento sem qualquer soma, a rela{\cc}{\~a}o coevolucion{\'a}ria e mutuamente encorajadora entre as citadas formas de ordenamento jur{\'i}dico {\'e} aqui defendida e enfatizada. Sustenta-se, ainda, que essa complementaridade pode ser rastreada desde a mais fundamental e diferente fun{\cc}{\~a}o e posi{\cc}{\~a}o das formas nacionais e transnacionais de ordenamento jur{\'i}dico na sociedade mundial. A tentativa generalizada de analisar desenvolvimentos transnacionais com base em conceitos de lei e de pol{\'i}tica derivados de contextos de ordenamentos nacionais {\'e}, portanto, problem{\'a}tica. Assim, justamente no sentido oposto, esse artigo defende que conceitos contextualizados de lei e pol{\'i}tica transnacionais s{\~a}o necess{\'a}rios. Ediante dessa necessidade {\'e} que o discurso sobre legitima{\cc}{\~a}o emergiu no {\^a}mbito da governan{\cc}a transnacional. As pr{\'a}ticas de legitima{\cc}{\~a}o do ordenamento jur{\'i}dico transnacional podem ser entendidas como equivalentes funcionais da democracia, na medida em que ambas podem ser compreendidas como instrumentos de crescente reflexividade. A diferen{\cc}a central, entretanto, {\'e} que contextos legitimados pela democracia implicam uma forma ex ante do pol{\'i}tico em contraste com a {\^e}nfase expost das pr{\'a}ticas de legitima{\cc}{\~a}o do ordenamento jur{\'i}dico transnacional. Al{\'e}m disso, a lei assume umpapel instrumental central, pois {\'e} por meio dela que as pr{\'a}ticas de legitima{\cc}{\~a}o s{\~a}o estruturadas emambiente transnacional.",
author = "Kj{\ae}r, {Poul F.}",
note = "CBS Bibliotek har ikke adgang til materialet",
year = "2017",
language = "Portugisisk",
volume = "14",
pages = "177--196",
journal = "Direito Publico",
issn = "1806-8200",
publisher = "Instituto Brasiliense de Direito Publico",
number = "78",

}

A função da legitimação na governança transnacional. / Kjær, Poul F.

I: Direito Público, Bind 14, Nr. 78, 2017, s. 177-196.

Publikation: Bidrag til tidsskriftTidsskriftartikelForskningpeer review

TY - JOUR

T1 - A função da legitimação na governança transnacional

AU - Kjær,Poul F.

N1 - CBS Bibliotek har ikke adgang til materialet

PY - 2017

Y1 - 2017

N2 - Ao desenvolver uma teoria social, por meio de um enfoque sociológico, este artigo questiona o porquê de a prática social da legitimação ter assumido o papel central no debate sobre ordenamento transnacional. Ao contrário de perspectivas que enxergam o relacionamento entre as formas nacional e transnacional de ordenamento jurídico como um relacionamento sem qualquer soma, a relação coevolucionária e mutuamente encorajadora entre as citadas formas de ordenamento jurídico é aqui defendida e enfatizada. Sustenta-se, ainda, que essa complementaridade pode ser rastreada desde a mais fundamental e diferente função e posição das formas nacionais e transnacionais de ordenamento jurídico na sociedade mundial. A tentativa generalizada de analisar desenvolvimentos transnacionais com base em conceitos de lei e de política derivados de contextos de ordenamentos nacionais é, portanto, problemática. Assim, justamente no sentido oposto, esse artigo defende que conceitos contextualizados de lei e política transnacionais são necessários. Ediante dessa necessidade é que o discurso sobre legitimação emergiu no âmbito da governança transnacional. As práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional podem ser entendidas como equivalentes funcionais da democracia, na medida em que ambas podem ser compreendidas como instrumentos de crescente reflexividade. A diferença central, entretanto, é que contextos legitimados pela democracia implicam uma forma ex ante do político em contraste com a ênfase expost das práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional. Além disso, a lei assume umpapel instrumental central, pois é por meio dela que as práticas de legitimação são estruturadas emambiente transnacional.

AB - Ao desenvolver uma teoria social, por meio de um enfoque sociológico, este artigo questiona o porquê de a prática social da legitimação ter assumido o papel central no debate sobre ordenamento transnacional. Ao contrário de perspectivas que enxergam o relacionamento entre as formas nacional e transnacional de ordenamento jurídico como um relacionamento sem qualquer soma, a relação coevolucionária e mutuamente encorajadora entre as citadas formas de ordenamento jurídico é aqui defendida e enfatizada. Sustenta-se, ainda, que essa complementaridade pode ser rastreada desde a mais fundamental e diferente função e posição das formas nacionais e transnacionais de ordenamento jurídico na sociedade mundial. A tentativa generalizada de analisar desenvolvimentos transnacionais com base em conceitos de lei e de política derivados de contextos de ordenamentos nacionais é, portanto, problemática. Assim, justamente no sentido oposto, esse artigo defende que conceitos contextualizados de lei e política transnacionais são necessários. Ediante dessa necessidade é que o discurso sobre legitimação emergiu no âmbito da governança transnacional. As práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional podem ser entendidas como equivalentes funcionais da democracia, na medida em que ambas podem ser compreendidas como instrumentos de crescente reflexividade. A diferença central, entretanto, é que contextos legitimados pela democracia implicam uma forma ex ante do político em contraste com a ênfase expost das práticas de legitimação do ordenamento jurídico transnacional. Além disso, a lei assume umpapel instrumental central, pois é por meio dela que as práticas de legitimação são estruturadas emambiente transnacional.

M3 - Tidsskriftartikel

VL - 14

SP - 177

EP - 196

JO - Direito Publico

T2 - Direito Publico

JF - Direito Publico

SN - 1806-8200

IS - 78

ER -